Número de infecções por Vírus Sincicial Respiratório crescem no primeiro semestre do ano; entenda quais as características, riscos e tratamento  

Com entrega de resultado no mesmo dia, IHEF se torna pioneiro na oferta do exame de detecção do vírus em Feira de Santana

Com a chegada das estações mais frias do ano, é comum um aumento nos casos de doenças respiratórias. Dentre elas, está o Vírus Sincicial Respiratório (VSR), um dos maiores responsáveis por infecções respiratórias, principalmente em recém-nascidos, crianças pequenas, adultos com mais de 65 anos, pessoas com problemas no sistema imunológico, cardíacos ou doença pulmonar crônica.

Segundo o Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (SIVEP-Gripe), de 2020 a 2022, houve mais de 30 mil casos de doença grave pelo VSR no país. Este ano, dados do Ministério da Saúde apontam que 17% dos 6.976 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), com identificação etiológica até 16 de março, foram causados pelo VSR. De acordo com o Informe de Vigilância das Síndromes Gripais do Ministério, no acumulado até 11 de março de 2024, 13% das 5.490 infecções por SRAG foram confirmados para o vírus sincicial.

Ainda de acordo com o órgão, a sazonalidade do Vírus Sincicial Respiratório na Região Nordeste é altamente constatada entre os meses de março a julho. Com infecções dadas pelas secreções do nariz ou da boca da pessoa infectada, por contato direto ou por gotículas, a transmissão do vírus geralmente começa dois dias antes de aparecerem os sintomas e só termina quando a infecção está completamente controlada.

“De modo geral, a infecção por VSR começa com coriza, tosse e febre leve. Conforme os dias passam, o paciente pode apresentar outros sintomas, como: dificuldade para respirar, dedos e lábios azulados, secreção nasal, espirros, chiado, dificuldades na amamentação, dor de cabeça, dor de garganta, perda de apetite, prostração e cansaço”, destaca Marcus Machado, Farmacêutico Bioquímico e Diretor Técnico do Instituto de Hematologia e Hemoterapia de Feira de Santana (IHEF).

Diagnóstico e tratamento

Em muitos casos, o diagnóstico para o Vírus Sincicial Respiratório é clínico, contudo, a identificação e confirmação do vírus é feita por exames laboratoriais. Sendo o pioneiro em oferecer o exame na cidade de Feira de Santana, o IHEF destaca que a eficácia do teste é de mais de 90% no diagnóstico. “O exame é de extrema importância, justamente pelo fato de podermos oferecer aos médicos o diagnóstico correto de um vírus que é muito comum em nosso meio e que provoca muitos quadros de infecção respiratória”, evidencia Marcus Machado.

O especialista também destaca que a realização do exame acontece através de um swab (uma espécie de cotonete) que é introduzido na nasofaringe do paciente, procedimento semelhante ao teste utilizado para identificação do Covid-19 e Influenza A e B. A realização do exame não necessita de nenhum preparo prévio e o resultado é entregue no mesmo dia.

Após diagnóstico positivo, a orientação é que o paciente busque um médico especialista o mais rápido possível. A maioria dos infectados consegue uma recuperação plena em um período de sete dias, no entanto, em casos graves, é essencial a hospitalização para a realização de oxigenoterapia e outras medidas de tratamento.

Prevenção

Para uma prevenção efetiva contra o VSR, especialistas recomendam cuidados básicos de higiene que podem ser feitos no dia a dia, a fim de reduzir as chances de infecção. Dentre eles estão:

  • Lavar frequentemente as mãos;
  • Fazer o uso de álcool gel antes e depois de entrar em contato com o doente;
  • Evitar aglomerações em locais fechados;
  • Desinfectar superfícies e objetos potencialmente contaminados pelo vírus;
  • Manter distância de pessoas com sintomas respiratórios.

SOBRE O IHEF     

O IHEF (Instituto de Hematologia e Hemoterapia de Feira de Santana), foi fundado em 1983, objetivando proporcionar a todos os pacientes do estado da Bahia, diagnóstico e tratamentos das doenças do sangue. Após anos de atuação, o IHEF expandiu para as áreas de medicina laboratorial, diagnóstico por imagem, medicina nuclear, vacinas e banco de sangue, dando origem ao Sistema de Saúde IHEF, o mais completo serviço de saúde não hospitalar do interior da Bahia.

Desde 2014 é prêmio Top of Mind no segmento laboratorial em Feira de Santana e também vencedor do prêmio Benchmarking Bahia por duas vezes, na categoria Compliance, como o melhor laboratório do interior da Bahia. O IHEF Laboratório possui certificações de qualidade como a ISO 9001 e a Acreditação PALC da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jorge Roriz