Chuvas – Prejuízos e mortes no Rio de Janeiro

Nas últimas 24 horas, o Rio de Janeiro viveu momentos de apreensão em decorrência dos fortes temporais que atingem o estado. Houve mortes, desespero e moradores ficaram isolados. Ruas se transformaram em rios, carros foram arrastados pelas enxurradas, houve deslizamentos de terra e áreas inteiras ficaram encobertas pela água.

O município do Rio, por exemplo, está em estágio de crise há quase 24 horas – terceiro nível em uma escala de três, o que significa chuva forte a muito forte nas próximas horas, podendo causar alagamentos e deslizamentos. A chuva começou a diminuir de intensidade agora à noite. A previsão é que a chuva nesta quarta-feira (10) seja fraca, moderada e isolada.

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, disse que vai ser aperfeiçoado o sistema de prevenção e apoio em casos de calamidade. Para ter acesso às informações atualizadas do Centro de Operação do Rio clique aqui.

Na capital, no final da tarde de hoje (9), as áreas de alagamento estavam concentradas na zona oeste, principalmente em Guaratiba e Santa Cruz. O caos só não foi pior porque os governos do estado e da capital decretaram pontos facultativos. De acordo com a prefeitura, estão totalmente bloqueadas nos dois sentidos as seguintes vias: Avenida Niemeyer, Alto da Boa Vista, Avenida Epitácio Pessoa, próximo do Parque da Catacumba, no sentido túnel Rebouças, Avenida Borges de Medeiros, no sentido Rebouças, altura do Parque dos Patins . A autoestrada Grajaú-Jacarepaguá voltou a ser interditada, nos dois sentidos. Já o Túnel Rebouças foi liberado no final da tarde.

Pelo último levantamento, foram registrados dez mortos. A morte de uma avó ao lado da neta, que tinham participado de uma festa no Shopping RioSul, em Botafogo, chocou os moradores. O táxi em que estavam foi atingido por um deslizamento de terra. O motorista também morreu.

Deixe uma resposta